Categorias
Acessibilidade Audiovisual Audiodescrição Closed Caption Janela de Libras Legenda Descritiva

Ancine publica norma sobre acessibilidade da produção audiovisual

Projetos financiados com recursos públicos geridos pela Agência devem contemplar legendagem descritiva, audiodescrição e libras.


om o objetivo de estimular a universalização do acesso às obras audiovisuais, em especial as nacionais, a Agência Nacional do Cinema (Ancine) publicou a Instrução Normativa nº 116, que dispõe sobre as normas gerais e critérios básicos de acessibilidade a serem observados por projetos audiovisuais financiados com recursos públicos federais geridos pela Agência.

O documento, que passou por consulta pública entre abril e maio deste ano, estabelece que todos os projetos de produção audiovisual financiados com recursos públicos federais geridos pela Ancine deverão contemplar nos seus orçamentos serviços de legendagem descritiva, audiodescrição e Libras – Língua Brasileira de Sinais.

Materiais entregues para fins de depósito legal em sistema digital devem conter legendagem descritiva, Libras e audiodescrição em canais dedicados de dados, vídeo e áudio que permitam seu desligamento ou acionamento.

A nova norma altera, assim, artigos das Instruções Normativas nº 22, de 30 de dezembro de 2003; nº 44, de 11 de novembro de 2005; nº 61, de 7 de maio de 2007; e nº 80, de 20 de outubro de 2008.

A Instrução Normativa 116 é mais uma ação no âmbito das políticas públicas transversais de acessibilidade que vêm sendo desenvolvidas pela Ancine.

O tema esteve presente na Agenda Regulatória para 2013/2014, e desde então a Agência vem incorporando a questão às suas políticas de financiamento, seja por meio do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), seja em ações de fomento direto.

Como exemplo, as chamadas públicas do FSA já incluem em seus editais a obrigatoriedade dos dispositivos de legendagem e audiodescrição no Depósito Legal das obras financiadas com recursos do fundo.

O Programa Cinema Perto de Você contempla com o Recine – Regime Especial de Tributação para o Desenvolvimento da Atividade de Exibição a desoneração de tributos incidentes sobre a importação de equipamentos relacionados à promoção de legendagem e audiodescrição.

E o Prêmio Adicional de Renda (PAR-Exibição), que premia complexos com até duas salas em função da quantidade e diversidade de filmes brasileiros exibidos, condicionou o prêmio oferecido aos vencedores deste ano à aplicação em projetos de digitalização ou de adaptação das salas ao acesso de pessoas com deficiência.

Fonte: Agência Nacional do Cinema

Categorias
Acessibilidade Audiovisual Audiodescrição Closed Caption Janela de Libras Legenda Descritiva

Acessibilidade na televisão brasileira – [Ver TV]

 

O Brasil tem mais de oito milhões de pessoas cegas ou surdas ou com graves deficiências auditivas ou visuais. Para elas, não é fácil ter acesso à TV, pois os recursos audiovisuais ainda são limitados. O Ver TV analisa os problemas enfrentados por essa parcela da população e  como as leis sobre acessibilidade na TV aberta tem sido praticadas pelas emissoras.

O programa recebe o o ativista Paulo Romeu, que participou do grupo que contribuiu para a definição de normas que obrigam emissoras a oferecer recursos de acessibilidade aos telespectadores; o filósofo Tuca Munhoz, ativista dos direitos de acessibilidade há mais de 30 anos e secretário adjunto da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida da cidade de São Paulo; e tradutora e professora de audiodescrição Ana Júlia Perrotti Garcia, coordenadora do Curso de Inglês Online da TV Cultura, que utiliza recursos de acessibilidade.

Em 2006, o Ministério das Comunicações criou uma norma que obriga as emissoras a oferecerem quatro recursos de acessibilidade aos telespectadores: legenda oculta (closed caption); dublagem (tradução dos programas em língua estrangeira); libras (linguagem de sinais) e audiodescrição (narração verbal do conteúdo, para pessoas cegas ou com baixa visão). Entretanto, em comparação com outros países, o Brasil está atrasado, avalia Paulo Romeu. Na Inglaterra, o país mais avançado na acessibilidade na TV,  já se chegou a 100% da programação legendada em algumas emissoras. Nos Estados Unidos, a cultura da acessibilidade também avança. Segundo Paulo Romeu,  “não se discute se é caro, barato, difícil: está na lei, tem que se fazer”. O ativista afirma que acessibilidade é um direito e não assistência social.

Fonte: Tv Brasil

Categorias
Acessibilidade Audiovisual Audiodescrição Closed Caption Janela de Libras Legenda Descritiva

Desafios técnicos na produção de acessibilidade audiovisual

São grandes os desafios técnicos na produção de acessibilidade em conteúdos audiovisuais. É o que avalia o jornalista e consultor Marcos Lima, que tem deficiência visual. Isso porque, de acordo com o especialista, tais produtos não são feitos para as pessoas com deficiência, mas adaptados para esse público.

Um dos maiores desafios é compreender as diversas necessidades das pessoas com deficiência, em seus mais variados níveis. “Vejo muitas produções de pessoas muito bem intencionadas, mas que não têm o convívio ou a experiência da pessoa cega para que ela possa dizer que tal tipo de informação é melhor passada dessa forma”, explica.

Outro fator que complexifica essa produção é o manejo do tempo. “A audiodescrição não pode atropelar o tempo do diálogo. Ela tem que se encaixar nos espaços dos filmes e produções, de uma maneira geral. Audiodescrição é um complemento”, observa o jornalista.

Consultor de audiodescrição, Marcos lamenta que as produções audiovisuais não contemplam a acessibilidade já em suas concepções.”Eu pego um filme que o roteiro foi feito pensando em quem enxerga e a gente ali, de alguma forma, tem que tentar adaptar à realidade da pessoa que não enxerga dentro dos espaços nos quais quem fez o filme deixou. E são espaços que, às vezes, não são suficientes”, relata.

Fonte: TvBrasil

Categorias
Acessibilidade Audiovisual Audiodescrição Closed Caption Janela de Libras Legenda Descritiva

Discussão sobre a conteúdos acessíveis

 

Ver e ouvir. Os sentidos da visão e da audição são as duas principais formas de o ser humano perceber e interagir com o ambiente ao seu redor. A nossa linguagem é baseada na escrita, que é visual, e na fala, que é sonora. Quando perdemos algum desses sentidos, nossa comunicação e percepção do mundo ficam prejudicadas.

Atualmente no Brasil 6,5 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência visual, sendo que 506 mil delas têm perda total da visão. Já os deficientes auditivos totalizam aproximadamente 10 milhões de indivíduos no país.

O termo acessibilidade significa incluir a pessoa com deficiência na participação de atividades como o uso de produtos, serviços e informações. Para que uma pessoa com deficiência visual ou auditiva possa desfrutar dos produtos audiovisuais, é necessária a inserção de recursos de acessibilidade como LIBRAS, audiodescrição e legendas descritivas.

Fonte: Tv Brasil

Categorias
Acessibilidade Audiovisual Audiodescrição Closed Caption Janela de Libras Legenda Descritiva Normas Acessbilidade ANCINE Pró-Produção de Vídeo Produção de Vídeo

O que é acessibilidade audiovisual?

Já pensou em como seria sua vida sem ouvir ou enxergar?

Os sentidos da visão e da audição são as duas principais formas do ser humano perceber e interagir com o ambiente ao seu redor. A nossa linguagem é baseada na fala que é sonora e na escrita que é visual, pessoas que possuem alguma deficiência em um destes sentidos perdem a capacidade acesso a informação e aos conteúdos baseadas linguagem sonora ou visual.

Para tornar conteúdos audiovisuais acessíveis para pessoas com deficiência visual ou auditiva é necessário a inserção de recursos adicionais ao produto audiovisual como Janela de LIBRAS, Audiodescrição e Legendas Descritivas (Closed Caption).

  • Janela de LIBRAS: É a transformação da linguagem “oralizada” em Lingua Brasileira de Sinais (LIBRAS) feita por um interprete especializados. Esta informação é apresentada sobrepondo a imagem do produto original em uma janela posicionada geralmente no lado direito inferior da tela..
  • Legenda Descritiva: Também conhecida como Closed Caption, é um recurso que permite aos surdos e ensurdecidos captar informações nas cenas que não seriam percebidas sem audição. Não se trata apenas de uma transcrição do áudio, os textos são adaptados para sinalizar os nomes dos personagens (falas fora das cenas e narrações), sons de ações (porta batendo, passos em escadas), sinais (alarmes, telefones tocando, buzinas) ou da natureza (raios, tempestade). Além disso, também é preciso ajustar os textos para seja possível serem lidos dentro da duração da cena do vídeo.
  • Audiodescrição: É uma narração para descrever elementos que são fundamentais para o entendimento do conteúdo através de uma imagem. Essa narração é realizada nos intervalos entre as falas e diálogos originais do produto audiovisual e informam detalhes sobre o ambiente (Caminhando pela praia, observando estrelas, descrição e imagens).

Essa adaptação não é um processo  simples, pois, é preciso saber qual a melhor forma de passar determinada informação respeitando pessoas com alguma destas deficiências. E isso exige que todas as informações sonoras e visuais essenciais para o entendimento do conteúdo sejam traduzidas e adequadas.

Para estimular a universalização do acesso às obras audiovisuais, desde Janeiro de 2016 entrou em vigor a Lei do Estatuto da Pessoa com Deficiência (nº13.146), exigindo que todo conteúdo veiculado na TV aberta, inclusive filmes publicitários, contenham informações acessíveis nos formatos Janela de Libras, Legenda Descritiva, Audiodescrição. Além disso, para as obras nacionais, a instrução normativa da ANCINE nº 116, reina que projetos financiados com recursos públicos geridos pela agencia devem contemplar a legendagem descritiva, audio descrição e Janela de LIBRAS.